terça-feira, 10 de abril de 2007


Blogar ou não blogar, eis a questãoAmante das canetas e dos papéis os mais diversos, acho-me agora no ingrato papel de adúltera; tenho traído o papel com o monitor e a caneta pelo teclado. Mas o tempo urge e as ideias fervilham, elas vêm em tsunamis e em vendavais, ou, às vezes, eu nem sequer as percebo, tão lentas e tranquilas elas se arrastam preguiçosamente para a minha mente entorpecida pelas poluições cotidianas. Em suma: foi-me necessária a traição.

Esta é a minha confissão pública: doravante, enquanto o Simão Dragão (nomenclatura do meu PC) estiver à minha disposição, aqui virei para postar as minhas ideias absurdas, os meus desejos infantis, minhas manias megalômanas, minhas raivas e frustações cotidianas e - lógico! - minhas "sacações" literárias. Meu muro de lamentações particular.


Nenhum comentário: